Voltar para notícias

Fabio Trad defende plebiscito desde que haja esclarecimento sobre o tema junto à sociedade

28 jun 2013 | Notícia | Escrito por: Redação | Compartilhe

Quando começou a defender a urgência de uma ampla Reforma Política, no ano de 2011, o deputado federal Fabio Trad (PMDB) assumiu o desafio de levar o tema a uma grande parte da sociedade, que até então estava distante do assunto. Agora, quando a questão entra na pauta das discussões política e ganha força em resposta às manifestações que levaram milhões de pessoas às ruas nas últimas semanas, e a presidente Dilma Rousseff propôs e conseguiu o apoio de governadores e prefeitos de capitais para trabalhar por cinco pactos, entre eles um plebiscito para uma reforma política "ampla e profunda" via Constituinte, o parlamentar sul-mato-grossense defende que haja um amplo projeto neste sentido, em três pontos: o financiamento público da campanha eleitoral, adoção do voto distrital misto e unificação do calendário eleitoral.

 

“Defendo o amplo projeto da Reforma Política. Acredito que o plebiscito seja saudável, mas me preocupa que não haja tempo o suficiente para que a população possa ter esclarecimento sobre um tema tão complexo quanto este. É preciso pelo menos quatro meses de antecedência para que haja um intenso debate sobre o tema, fazendo com que a mídia leve essas informações para a população, seja por meio da televisão, rádio, internet. Isso para que cada cidadão tenha pleno conhecimento do que se trata a Reforma Política e possa decidir de maneira equilibrada sobre a mesma”, justifica o deputado sul-mato-grossense.

 

Sobre a efetivação da Reforma Política, Fábio Trad afirmou que esta deve partir de pontos sobres os quais se podem com mais facilidade se chegar a consensos, mas não deve haver receio de colocar o dedo na ferida e apontar os atuais erros do sistema político que devem ser alvo de reformulações diante da Reforma. “É fato que o sistema político eleitoral está degradado e visceralmente comprometido por vícios estruturais. Os partidos não respondem por seus programas, os eleitores escarnecem dos políticos e o mais grave: os eleitores estão desconfiando até da política. Os eleitos em regra gerais se elegem com propostas que no decorrer do mandato dificilmente se concretizam, e de forma impune porque não há fiscalização do seu mandato por quem os elegeu”, assinala. 
 

O deputado federal Fabio Trad vem desde o ano de 2011 articulando ações a fim de levar à sociedade informações sobre a importância do processo da Reforma Política. No ano em questão, Fabio levou à Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, por meio da Comissão Especial da Reforma Política da Câmara Federal, a Conferência Regional sobre a Reforma Política.

 

Para o parlamentar, é necessária a articulação de novas ações, de modo a envolver todos os setores sociais em seu debate. Para Fabio Trad, o parlamento deve procurar sensibilizar a população para a importância do tema, mostrando que muitas das distorções do sistema político eleitoral que provocam o distanciamento cada vez maior entre eleitor e eleito, corroendo a credibilidade da própria atividade política, podem ser enfrentadas agora e eventualmente corrigidas.

 

"Em regra, os eleitores não votam nas ideias e propostas dos candidatos na mesma medida que os candidatos não pautam suas campanhas por debates e ideias programáticas. O uso de dinheiro nas campanhas eleitorais faz e desfaz candidaturas: ter é mais que ser. Os eleitos não se sentem fiscalizados pelos eleitores, até porque a grande maioria dos eleitores não acompanha o exercício do mandato. Os partidos políticos estão enfraquecidos e os membros-filiados desconhecem e por isso descumprem seus princípios estatutários", disse o deputado federal.