Voltar para notícias

Fabio Trad foi um dos nomes mais cogitados para o Ministério do Turismo

16 set 2011 | Notícia | Escrito por: Redação | Compartilhe

O deputado federal Fabio Trad (PMDB-MS) foi apontado ontem como um dos prováveis nomes para assumir o Ministério do Turismo após a saída de Pedro Novais da pasta. O nome de Fabio cresceu diante da necessidade de alocar no Ministério uma pessoa com postura ética e conduta ilibada. No final da noite de ontem, no entanto, o comando do Ministério foi entregue ao deputado maranhense Gastão Vieira (PMDB). 

“Caso esta grande responsabilidade me fosse atribuída, não me furtaria de assumi-la. Mas, apenas o fato de o meu nome ter sido cogitado e de ter ido até a última lista, por critérios de competência e seriedade, honra a mim e ao meu estado. No entanto, a pasta está em boas mãos, com um correligionário do PMDB”, afirmou Fabio Trad nesta sexta-feira. 

Destaque 

Fabio Trad tem se destacado no Congresso Nacional devido a sua atuação incisiva no que se refere às questões de interesse nacional e, também, devido à seriedade com a qual encara suas obrigações parlamentares. 

Não é à toa que o deputado assumiu a vice-liderança da bancada do seu partido na Câmara Federal e foi, agora, cogitado para assumir o Ministério do Turismo. “Ser escolhido como vice-líder da segunda maior bancada da Câmara, ser cogitado para um Ministério implica no reconhecimento do nosso trabalho e a expectativa positiva de que conduziremos com competência e altivez o encaminhamento de temas importantes para o Brasil. Além disso, esta condição realça o Mato Grosso do Sul no contexto político”, afirmou. 

100% 

A ação parlamentar de Fabio Trad tem sido destacada no Congresso, sendo alvo, inclusive, da atenção da imprensa nacional. Um exemplo positivo dado por Fabio é sua presença nas sessões, 100% de aproveitamento. Recentemente, o jornal ‘O Globo’ abordou a fraca participação dos deputados nas sessões de segunda-feira. Na reportagem, Fabio Trad é apontado na contramão desta tendência. 

Para o parlamentar, o eleito tem que ser fiscalizado pela população, que precisa cobrar sua representatividade junto ao Parlamento. “Hoje ficou mais fácil saber da atuação de um político. No meu caso, como deputado federal, basta acessar o site da Câmara Federal e buscar pelo meu nome. Aquele a quem o eleitor confiou o seu voto precisa contribuir e participar das discussões no Congresso e, também, acompanhar o dia a dia do Estado o qual representa”, justificou.