Voltar para notícias

Para Fabio Trad, luta contra a violência envolve toda a sociedade

28 dez 2012 | Notícia | Escrito por: Redação | Compartilhe

Com 1,09 milhão de homicídios entre 1980 e 2010, o Brasil tem uma média anual de mortes violentas superior à de diversos conflitos armados internacionais, apontam cálculos do “Mapa da Violência 2012″, produzido pelo Instituto Sangari e divulgado no último dia 19).

Para o deputado federal Fabio Trad (PMDB-MS), o problema ultrapassa a questão da segurança pública e envolve a necessidade de um pacto que envolva toda a sociedade. “São índices superiores ao morticínio de conflitos e guerra civil mundo afora, o que nos impõe uma urgente tomada de posição que transcenda o simplismo pueril da majoração de penas no Código Penal. Esta ferida decorre de múltiplos e complexos fatores que demandam uma leitura multidisciplinar, seguida de ações políticas efetivas que percorram todos os setores governamentais. Mata-se no Brasil por questões fúteis, torpes de múltiplas maneiras, inclusive no trânsito, independente de condição econômica e cultural. Urge, pois, reflexão plural e ações efetivas para se entender e enfrentar esta gravíssima questão nacional”, afirmou.

Segundo o estudo, apesar da redução das mortes violentas em diversas capitais do país, o Brasil mantém um índice epidêmico de homicídios – 26,2 por 100 mil habitantes -, que têm crescido, sobretudo, no interior do país e em locais antes considerados seguros.

Calculando a média anual de homicídios do país em 30 anos o levantamento atingiu a impressionante soma de 36,3 mil mortos por ano – o que, em números absolutos, é superior à média anual de conflitos como o da Chechênia (25 mil), entre 1994 e 1996, e da guerra civil de Angola (1975-2002), com 20,3 mil mortos ao ano. A média também é superior as 13 mil mortes por ano registradas na Guerra do Iraque desde 2003.